30 de julho de 2007

Um cidadão brasileiro, normal, mas não é uma prática dos podero$o$

"Piquet perde carteira de habilitação

Tricampeão mundial de Fórmula 1, ele ultrapassou o máximo de pontos permitidos.
Ele e sua mulher, que está na mesma situação, têm de fazer aulas no Detran.
Do G1, em Brasília, com informações do DFTV

Indisponivel
Aluno aplicado: Piquet assiste aula na primeira fileira

Tricampeão mundial de Fórmula 1, Nelson Piquet ultrapassou, desde junho deste ano, o limite de pontos aceitos pelo Departamento de Trânsito (Detran) para infrações, que são 20. Ele tem, pelo site do Detran-DF, 128 pontos na carteira de habilitação, apesar de o piloto afimar que só foi informado de ter 29 pontos. Sua mulher, Viviane Piquet, também está na mesma situação.

Dessa forma, o piloto e a mulher não podem dirigir pelas ruas do país até que regularizem a situação junto ao órgão. Para resolver o problema, o casal Piquet participou nesta segunda-feira (30) da primeira aula da escola do Detran. Ele terá que percorrer todo o trâmite burocrático exigido atualmente pelo órgão para reaver a habilitação – escola com aula teórica e, depois, uma prova.

O piloto, que transita pelas ruas de Brasília em carros possantes – Fusca com motor de Porsche, M3 conversível da BMW e um Ford GT, entre outros -, está há quase três meses com a carteira suspensa.

Aluno dedicado

Sentado na primeira fila, acompanhado de outros 30 motoristas na mesma situação, o tricampeão assistiu à primeira aula: direção defensiva. E outra virão: primeiros socorros, relações interpessoais e legislação de trânsito. Serão oito dias de curso, 30 horas/aula no total, só 15 minutos diários de intervalo.

"Eu acho que a gente tem que pagar pelos atos que a gente faz, é não é nem o problema de alta velocidade, é multa em geral, parar em lugar que não pode, aeroporto, isso e aquilo, então eu acho que é válido", confessou Nelson Piquet.

Um colega de turma do tricampeão está empolgado com a presença ilustre. "Ele está bem comportado na aula", declarou o representante comercial Marco Túlio Vieira.

Sem regalias

No final do curso, Nelson Piquet e os colegas vão ter que fazer uma prova. Serão 40 questões. Para conseguir a carteira de motorista de volta, é preciso acertar pelo menos 70% das perguntas. "Ele tem que cumprir toda a carga horária, como determina o Código de Trânsito. Não tem nenhuma regalia, como nenhum brasileiro haverá de ter", garante o diretor do Detran-DF, Délio Cardoso. "Vamos tirar um bom proveito disso e aprender alguma coisa", conforma-se Piquet.

Sua esposa também está conformada. "Não tem como fugir. Lei é lei. A gente tem que cumprir e é isso aí", disse Viviane Piquet.

Espontaneamente

Segundo a assessoria do Detran, o piloto se apresentou ao órgão espontaneamente para requerer a nova habilitação, ou seja, a carteira de motorista dele não foi cassada, o que, geralmente, acontece com motoristas que são pegos em blitz e têm excesso de pontos.

Piquet tem carteira de motorista categorias A (motos) e B (carros). Ele cometeu, segundo o site do Detran, infrações médias e graves, cujos preços variam de R$ 80 a R$ 191,53.

O órgão, no entanto, não informou quais foram as irregularidades cometidas pelo tricampeão, mas, pela Legislação de Trânsito, infrações graves são, por exemplo, ultrapassar outro veículo pelo acostamento. Já as médias, podem ser deixar de dar passagem pela esquerda quando solicitado."



27 de julho de 2007

Guiness....

Bao Xishun, de 56 anos, considerado pelo Guinness Book o homem mais alto do mundo, aperta a mão do jovem He Pingping, de 19 anos, que tem apenas 73 centímetros de altura. (Foto: Reuters)

Os gordos exalam felicidade...

O mexicano Manuel Uribe (em foto de arquivo) entrou para o "Guinness Book of Records", o livro dos recordes. Com 560 quilos, ele se tornou o homem mais pesado do mundo, segundo informa a agência de notícias "France Presse". Antes, Uribe estava no livro como a pessoa que mais perdeu peso: 200 quilos (ele pesava 540 quilos) (Foto: AFP).

21 de julho de 2007

Aroeira em 21/07/2007, jornal O Dia

Gostou da charge do dia? Tem alguma sugestão,
elogio ou crítica a fazer para o cartunista?
Deixe aqui o seu comentário para o Aroeira.

18 de julho de 2007

Blog do Josias de Souza - Nos bastidores do poder

MP move ação para anular concessão de TV de Jader


Tenta-se desfazer uma manobra ‘ilegal’ do governo Lula

Sérgio Lima/Folha
O procurador da República Rômulo Moreira Conrado foi ao Judiciário para tentar anular uma manobra do governo Lula que livrou o “aliado” Jader Barbalho (PMDB-PA) de uma dívida estimada em R$ 82,4 milhões com a Receita Federal e outros órgãos públicos. A ação do Ministério Público foi protocolada na segunda-feira (16) na Justiça Federal do DF. Mas a providência só foi divulgada nesta terça-feira (17).

Rômulo Conrado se insurgiu contra um negócio que começou a ser costurado em junho de 2006 e que foi efetivado seis meses depois, em dezembro. Deu-se o seguinte: com a providencial autorização de um Ministério das Comunicações chefiado pelo senador licenciado Hélio Costa (PMDB-MG), Barbalho logrou transferir a concessão da TV Bandeirantes no Pará, a terceira maior audiência do Estado, da empresa Rede Brasil Amazônia de TV para a firma Sistema Clube do Pará de Comunicação, da qual tornou-se sócio.

A Rede Brasil, dona da concessão pública de TV, encontra-se imersa em dívidas com o fisco, a Previdência e o FGTS. O Sistema Clube Pará, ao contrário, opera no azul. Ao transferir para a segunda toda a rendosa atividade da primeira, o deputado Barbalho deixou o governo na incômoda posição de ter de cobrar a dívida de R$ 82,4 milhões de uma organização sem faturamento.

Para o procurador Rômulo Conrado, a transferência da concessão de TV da endividada Rede Brasil para o saudável Sistema Clube do Pará não poderia ter sido feita senão por meio de uma licitação, aberta à participação de outras empresas. Daí a ação judicial. O Ministério Público pede que o negócio seja anulado já em decisão liminar (provisória), antes mesmo do julgamento definitivo do processo.

O grosso do contencioso de Jader Barbalho com o Estado resulta de uma série de autuações lavradas pela Receita Federal. Os auditores fiscais varejaram os livros da Rede Brasil depois que Barbalho, sob FHC, tornou-se protagonista do chamado “escândalo da Sudam”. Um caso que compôs o rosário de suspeições que levou Jader a renunciar ao posto de presidente do Senado e ao próprio mandato. Com os direitos políticos intactos, o ex-senador pôde candidatar-se à Câmara. E o eleitor do Pará o transformou em deputado.

Hoje, Jader é um dos principais conselheiros do companheiro de partido Renan Calheiros, às voltas com um escândalo que ameaça despejá-lo da mesma cadeira de presidente do Senado. Jader converteu-se também em fervoroso aliado de Lula. No último dia 11 de abril, durante um jantar com congressistas do PMDB, o presidente da República fez questão de afagar os adversários do passado, entre eles Jader:

"Qual cidadão de pensamento progressista em 1974 não votou no Quércia para senador? Quem é o progressista que, em 1978, não votava em Jader Barbalho, no Pará, para deputado federal?" Sob a fluidez retórica de Lula escondia-se o acerto que o Ministério Público se empenha agora em anular.

Escrito por Josias de Souza às 19h04

8 de julho de 2007

"MUDA BRASIL"


Publicada em: 08/07/2007

MUDA BRASIL
.

Recentemente, meus amigos do Quarteto Fantástico e eu realizamos uma "séance" com a presença dos - na falta de uma melhor expressão - "pais da pátria". De Pedro Segundo a Juscelino, de Deodoro a Getúlio, de Adhemar a Figueiredo, muita gente apareceu para participar e contribuir. Uma verdadeira festa cívica espiritual. De tudo o que foi dito e anotado, sobrou uma espécie de texto que, segundo eles, precisa ser urgentemente implantado à revelia da legislação existente, sobrepondo-se a ela de qualquer maneira, em todas as instâncias - infra ou supra-constitucionais. Lá vai ele:

Art. 1º: Gente que tenha processo correndo na "justiça" não pode se candidatar a cargo eletivo algum, enquanto pairarem dúvidas sobre sua honorabilidade.

Parágrafo Primeiro (na mesma linha para economizar espaço): Qualquer renúncia ou pedido de aposentadoria invocada a partir de um escândalo implicará na perda automática da pensão e de todos os benefícios financeiros dela decorrentes de maneira irrevogável.

Art. 2º: A excrescência conhecida como voto proporcional, onde se vota num sujeito e se elege mais um punhado, está definitivamente abolida e devolvida à Finlândia, de onde nunca deveria ter saído.

Art. 3º: Cada estado brasileiro poderá ter, no máximo, a área correspondente à de um estado como São Paulo.

Parágrafo Primeiro: Cada estado (inclusive os novos) será retalhado em no máximo vinte distritos eleitorais com volumes populacionais comparáveis e representado pelo candidato mais votado de cada distrito.

Parágrafo Segundo: Cada candidato a cargo eletivo só precisará gastar sua sola de sapato no distrito eleitoral que lhe corresponder, assim como prestar contas de suas ações à população daquele distrito.

Art. 4º: O eleito que renunciar ou se licenciar provoca nova eleição e torna-se inelegível por duas eleições. Parágrafo Primeiro: A figura do suplente deixa de existir.

Art. 5º: Quem mudar de partido, uma vez iniciado o mandato eletivo, perde o mandato e torna-se inelegível na próxima eleição.

Art. 6º: Para fazer jus ao nome com inicial maiúscula e aos tempos em que vivemos, a "justiça" terá que ser completa e absolutamente informatizada no prazo máximo de dois anos.

Art. 7º: Fixa-se a idade penal em 13 anos e reinstitui-se a pena de morte para os condenados por tráfico de drogas, corrupção ativa e passiva envolvendo o dinheiro público, homicídio e suas variantes (latrocínio, etc), além da possibilidade da pena de morte para outros crimes hediondos, e a prisão perpétua com trabalhos forçados até os 65 anos para quem tiver cometido mais de três crimes comuns.

Parágrafo Primeiro: Cada processo (criminal, cível, etc) estará limitado a duas instâncias de apelação, e o prazo máximo de tramitação das apelações não poderá superar os dezoito meses.

Parágrafo Segundo: Não há mais indultos de Natal nem outros tipo de liberdade temporária; os benefícios de redução de pena, somados, não devem ser superiores a dez por cento do total do tempo a ser cumprido de acordo com a sentença original.

Parágrafo Terceiro: Cada estado da federação deverá possuir pelo menos duas penitenciárias de segurança máxima com capacidade para, pelo menos, quinhentos detentos cada uma.

Parágrafo Quarto: Fiel ao princípio de que todos, sem exceção, limpam o traseiro da mesma forma, não haverá mais foro privilegiado para ninguém.

Art. 8º: O orçamento da União será executado de forma impositiva, isto é: dentro dos rigores da Lei de Responsabilidade Fiscal, tudo o que for aprovado pelo Congresso será prontamente executado sem ser objeto de barganhas políticas nem contigenciamentos de qualquer ordem.

Art. 9º: De segunda a sexta-feira, toda criança de dois a dezoito anos passará oito horas na escola, que - além da educação formal - será responsável pelo fornecimento de três refeições diárias, lazer e orientação esportiva.

Art. 10º: Deixam de vigorar todas as "contribuições"; cada produto ou serviço receberá apenas uma taxação federal, uma estadual e uma municipal.

Art.11º: Policiais civis e militares passam a formar uma única organização em todo o território nacional.

Art. 12º: A imprensa, assim como o câmbio, permanecerão completamente livres.

Alguém tem coragem para implementar as sugestões?

7 de julho de 2007

E tem gente que acredita...


Enviado por Ricardo Noblat - 8.7.2007| 0h09m

Lula foi o maior cabo eleitoral do Cristo, segundo Marta

Pois não é que Marta (Relaxa e Goza) Suplicy, ministra do Turismo, disse mesmo que foi Lula "o principal "propulsor" da nomeação do Cristo Redentor como uma das novas sete maravilhas do mundo". Ela disse exatamente assim:


- "Sem dúvida, o propulsor da nossa vitória foi o presidente Lula, com sua visita ao Cristo. Naquele momento, os brasileiros se deram conta da importância que o presidente estava dando à eleição do Cristo para o incremento do turismo brasileiro".


É a segunda vez em menos de um mês que Marta perde uma excelente oportunidade de ficar calada. Ou melhor: de não dizer besteira.